Temakeria e Cia. já tem várias filiais na cidade, mas tenho costume de ir às unidades da Oscar Freire (Jardins) e a da Joaquim Floriano (Itaim), esta última com ótimo horário de funcionamento de quarta a sábado, chegando a fechar às 5h da manhã de quinta a sábado, ótimo para comer algo leve e saudável pós-baladinha (leve = no hot rolls). É daqueles lugares populares que oferece qualidade na comida (o nori — que é a alga — e o arroz estão sempre bons) e consistência (não há diferença entre as unidades, os dias e quem os prepara). Os únicos problemas são o serviço nas mesas, principalmente quando a casa está cheia (demora e erros nos pedidos são frequentes; são três salões, e quanto mais longe do balcão pior é o serviço, que pode chegar a ser péssimo) e os banheiros nada limpos. Para serviço de fast food (a comida japonesa fria é fast food  “na veia”, e bem mais saudável que hambúrgueres, fritas etc.), sempre sente-se no balcão porque você já pede para quem vai fazer e basta uma olhada para ele se lembrar do teu pedido. E, se estiver cheio, você tiver de se sentar em uma mesa, prepare-se para ter de chamar o garçom várias vezes cobrando o seu pedido. 

 QUE COMER
Para quem gosta de hot rolls  não deixe de experimentar o temaki  da casa, o Temakeria. Até eu que prefiro os pratos mais tradicionais, sempre peço. É um hot roll  dentro do temaki com kani, salmão e cream cheese. Outra ótima pedida é o acelga especial, um enrolado de acelga (em vez de nori) com arroz, coberto com peixe empanado, limão e maionese. Tudo é muito gostoso, os temakis são bem recheados e bem montados, o shimeji  é bem temperado, mas essas duas criações valem a pena serem experimentadas! 🙂 De resto, peça bancha quentinho para acompanhar seu temaki. O sabor vegetal do chá verde combina perfeitamente com a comida fria japonesa e ainda é de graça.