Salmão: De iguaria gastronômica a comida tóxica, como um peixe com uma história linda se tornou uma grande ameaça para sua própria espécie

Para voltar ao local exato onde nasceu, o salmão nada até 1500 quilômetros, contra a correnteza do rio, escalando cacheoeiras, para desovar e, enfim, morrer. Mas seu ciclo de vida não acaba aí. Imagem: Ethan Ableman Foi-se o tempo em que salmão — o selvagem, preciso dizer — era uma iguaria gastronômica. Quem comeu, comeu. Porque o peixe barato e onipresente que encontramos hoje em supermercados e restaurantes — o salmão de cativeiro vindo principalmente de fazendas marítimas do Chile, no caso do Brasil, e da Noruega e do...