Não tem sido fácil o Brasil para quem se preocupa com a saúde e o meio ambiente. Já são mais de 300 novos agrotóxicos aprovados a toque de caixa pelo governo apenas em 2019, 30% deles considerados altamente tóxicos e proibidos nos países desenvolvidos. Não ajuda tampouco a política ambiental vendida aos interesses do agronegócio — e contrária à Constituição — que colocou o país nas manchetes de todo o mundo. Os pesticidas não são só responsáveis por doenças humanas, mas também contaminam o ar, o solo e lençóis de água que abastecem milhares de comunidades; e estão exterminando os insetos, essenciais para o equilíbrio do meio ambiente e para a própria produção de alimentos, como as abelhas {leia nossa matéria sobre agrotóxicos, clicando aqui}. E, por essas questões, o mundo começa a boicotar produtos brasileiros.

A SEGUNDA EDIÇÃO DO ORGANIC FESTIVAL

Sempre me choca também a falta de comprometimento com o tema por parte de chefs reconhecidos em São Paulo e no Rio de Janeiro. E é justamente por isso que é muito bem-vinda a segunda edição do Organic Festival em Trancoso, idealizado e organizado pelo hotel Uxua, com o apoio do Capim Santo e da Conservation International, uma ONG fundada nos anos 1980 em Washington, que tem como objetivo preservar as áreas de rica biodiversidade, terra ou mar, em mais de 70 países.

O festival acontece entre quinta-feira, dia 12, e domingo, dia 15 de setembro de 2019, e na programação estão almoços e jantares com chefs como Neka Mena Barreto, Ju Pedrosa, Bela Gil e Roberta Sudbrack (a R$ 165 por pessoa, já com 10% de taxa de serviço); palestras e bate-papos gratuitos sobre temas que vão do café orgânico à pesca sustentável, incluindo uma conversa entre as crianças de Trancoso e Bela Gil #muitoamor; um brunch no Santo Café (nosso preferido na cidade) com a chef Danielle Dahoui, a R$ 66 por pessoa, já com taxa de serviço; um piquenique para a comunidade com pratos orgânicos a R$ 10; e até um luau na cabana do Uxua na Praia dos Coqueiros (nossa preferida também) com pocket-show da Céu para encerrar a semana, com entrada gratuita. Tudo regado com vinhos naturais: vinhos feitos com uvas orgânicas, fermentados com leveduras naturais, sem enxofre, com a mínima intervenção do homem.

É SEMPRE PRECISO FAZER NOSSA PARTE, CADA VEZ MAIS

Apesar do tema, alguns dos chefs que participam do festival ainda não usam ingredientes orgânicos em seus próprios restaurantes (ou restaurantes para que prestam consultoria), que ficam em cidades com amplo acesso a esse tipo de produto (diferentemente do que ainda é um problema em Trancoso). Por isso, cabe a nós, consumidores, seguir incentivando — e, principalmente, cobrando, perguntando sobre a origem dos alimentos — para que tenhamos fora de casa também, pratos (caros) que não prejudiquem nossa saúde nem o meio ambiente.

O Organic Festival ainda faz a tradicional visita ao Natural Stay, um dos raros produtores de orgânicos da região e ainda inaugura uma horta comunitária na Associação Despertar, que defende o turismo sustentável em Trancoso, um tema importante em um vilarejo cuja economia depende amplamente da atividade.

Para mais informações, basta ligar para o Uxua no + 55 73 / 3668-2277 ou para o Capim Santo + 55 73 / 3668-1122, ou ainda acessar o perfil do Instagram @organic.festival, clicando aqui.

LEIA TAMBÉM:

— Enoteca Saint Vin Saint: Com décor bourgeois-bohème, o único restaurante sustentável 100% orgânico de São Paulo

— Classe executiva Air France: Como é e quanto custa a Business dos melhores voos diretos do Brasil para Paris (e, de lá, para o mundo)

— Caros Chefs: No país que mais consome agrotóxicos, se é pra comer comida envenenada, mais vale comer em casa

Arte-Banner-Instagram-Divulgacao-10