Assim como Reims, Épernay (que está a dez minutos de carro de Hautvillers) está cheia de crayères. São mais de 100 quilômetros de caves subterrâneas nesta elegante cidadezinha de 24 mil habitantes que é a sede das grandes maisons de champagne Pol Roger, Perrier-Jouët, Moët & Chandon, entre outras produtoras menores. (E eu adoro a maneira como os cidadãos daqui são chamados: quem nasce em Épernay é “Sparnaciens”.)

A Moët & Chandon é a única grande maison  aberta para visitação (super organizada, profissional e elegante), mas vale uma rápida promenade  pela Avenue de Champagne, começando pela Place de la République, com seus casarões clássicos, incluido a Moët, que, entre vinhos, uísques, rums, conhaques e vodcas, é a maior marca de bebidas do conglomerado de luxo LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy).

Dentre as maisons de champagne  que fazem parte da LVMH ainda estão a Dom Pérignon, a Veuve Clicquot, a Krug, a Mercier e a Ruinart. Ou seja, apesar de a maioria dos vinhedos da Champagne não pertencerem às maisons (geralmente cooperativas de plantadores vendem suas uvas às casas de champagne), somando todas as marcas do conglomerado faz com que a LVMH sozinha tenha mais de 2500 hectares de vinhedos na região.

Após a visita à Moët, continue caminhando pela Avenue de Champagne  indo até o final para ver a torre da maison de Castellane (na altura do número 60). Na De Castellane, você também pode visitar a cave, um museu com aparatos antigos utilizados nas vindimas, no dégorgement, na rotulação das garrafas e ainda pode subir na torre para ter uma vista de Épernay e do Vale do Marne.

Depois da promenade, você pode ir até à loja C. Comme Champagne, na Rue Gambetta, que além de loja de vinhos é um espaço de degustação (deixe para o final pois se você decidir comprar vinhos aqui já estará próximo da estação de trem para voltar). O mais legal da C. Comme é que aqui você encontra mais de 350 referências de champagne, só de pequenos produtores (que podem ser fantásticos). E tudo muito organizado. Na adega do subsolo, em cada coluna de prateleiras com as garrafas de champagne  você tem uma placa com a foto dos produtores, o nome da maison, a localização do vinhedo, a quantidade de crus  utilizados e qual é a proporção de chardonnay, pinot noir  e pinot meunier  das garrafas (as porcentagens entre um produtor e outro podem variar bastante #Assemblage).

Além do champagne, você poderá também provar/comprar outras bebidas da região como a ratafia, o marc de champagne, o fine de champagne ou o coteaux champenois. No espaço-degustação, você terá de escolher uma das opções (não dá pra tomar 57 taças de champagne): tem degustação com diferentes dosagens de açúcar (de brut nature  a doux, passando por extra brutbrut e demi-sec); tem a dos 100%, em que você prova um espumante 100% chardonnay (que também leva o nome de blanc de blancs), um 100% pinot noir (blanc de noir ), um 100% pinot meunier e um assemblage (mistura das três uvas), entre outras opções. Basta sentar, escolher e beber.

Se estiver com fome, uma boa, simples e tradicional opção para comer as especialidades da região (huîtres au champagne; potée champenoise, que é um cozido de porco, bacon com cenoura, batata etc.) é La Cave à Champagne, que fica do ladinho da C. Comme.

Visitas, bebidas, compras e gastronomicamente satisfeito é só prosseguir na Rue Gambetta que já dá na praça que fica em frente à estação de trem. Hora de voltar para Paris, que fica a 1h20 de viagem em um trem comum.

ROTEIRO SUGERIDO

Moët & Chandon
20 avenue de Champagne
Telefone: 33 (0) 3 / 2651-2020
E-mail : visites@Moët.fr
Site para visitas, clique aqui.
A visita Grand Vintage, cuja degustação inclui um champagne  2004 e um rosé  2002 custa 30 euros  por pessoa. A tradicional custa 16,5 euros. Menores de 18 anos, sem champagne, pagam 9,50 euros. Menores de 10 anos não pagam.

De Castellane
Site para visitas, clique aqui.

C. Comme Champagne
8 rue Gambetta
Telefone: 33 (0) 1 / 2632-0955
Site, clique aqui.
Aberto de domingo a quinta, das 10h às 20h.
Sextas e sábados, das 10h à meia-noite.

La Cave à Champagne
16 Rue Gambetta
Telefone: 33 (0) 1 / 2655-5070
Site, clique aqui.
Uma refeição custa de 20 a 50 euros.

Para voltar para Paris é só se dirigir a estação de trem. Em 1h20, você estará de volta à Cidade-Luz.

Este post faz parte do especial A rota do champagne.

[nggallery id=17]