Snowshoeing depois da prática de yoga em uma cratera geotermal milenar é uma das atividades oferecidas pela Park City Yoga Adventures. Imagem: Shoichi Iwashita

Além da história fascinante, arquitetura centenária, boa oferta de hotéis e da qualidade da neve (powder-fofíssima na maior parte do tempo), em Park City você encontra não só restaurantes gastronômicos, comidinhas orgânicas-vegetarianas e cafés do jeito que a gente gosta mas também atividades que nenhuma outra estação de esqui no mundo oferece. Na matéria de hoje, você confere as atividades mais incríveis para se fazer quando não estiver nas pistas.

ANDAR DE BOBSLED EM UM PARQUE OLÍMPICO

Esporte olímpico desde as primeiras Olimpíadas de Inverno de Chamonix em 1924, andar de bobsled — ou bobsleigh — é viver 47 segundos de muita emoção em um trenó de aço (sem o menor conforto, preciso dizer), que atinge 110 km/h em uma pista-tobogã de gelo, com curvas que impõe uma força 5G sobre nosso corpo (não se esqueça de encolher bem os ombros para não machucar a cabeça e o pescoço soltos e que sofrem com a força da gravidade multiplicada por cinco). E o fato de ser no Utah Olympic Park, onde aconteceram parte das provas das Olimpíadas de Inverno de Salt Lake em 2002, só aumenta a emoção. Diferentemente do esporte oficial, felizmente aqui a gente não precisa sair correndo e pular no trenó em velocidade, o que exigiria grande coordenação entre os quatro integrantes do “time”. Três pessoas se sentam no trenó parado acompanhadas do piloto profissional e, aí, é só se segurar e se deixar levar! Apesar de a corrida durar menos de um minuto, calcule duas horas para o passeio (chegar, passar pela instrução, colocar o capacete, aguardar sua vez e correr). A experiência custa US$ 175 e só é permitida para pessoas acima de 16 anos pesando, no mínimo, 45 quilos. De 18 de dezembro a 31 de março; fechado apenas nos dias 25 de dezembro e 1 de janeiro. {Para saber mais e fazer sua reserva, é só clicar aqui.}

YOGA SOBRE UM STAND-UP PADDLE EM UMA CAVERNA COM ÁGUAS TERMAIS

Se andar de bobsled é uma atividade possível também nas estações de esqui de Saint Moritz e Innsbruck, 1. fazer yoga, 2. sobre um stand-up paddle, 3. dentro de uma cratera geotermal milenar, 4. com água cristalina e naturalmente quentinha a 35° Celsius, 5. no meio das montanhas nevadas, e 6. com um professor gato… isso só em Park City. A 35 minutos de carro de Canyons Village, as aulas de yoga na Homestead Crater são organizadas pela Park City Yoga Adventures, duram uma hora (os preços variam entre US$ 80 e US$ 130 dependendo do número de alunos, entre dois e 12); acontecem de segunda a sexta pela manhã e à noite, e apenas à noite aos sábados e domingos; e as reservas são obrigatórias. E não se preocupe em manter o equilíbrio em algumas posições: cair na água quentinha — imaginando o frio lá fora — é a melhor parte da aula. Só traga toalhas grandes e felpudas pois como estamos dentro de uma caverna sem calefação, é sofrido o caminho entre a água e os cubículos de madeira para trocar de roupa, de tanto frio. {Para reservar a sua aula, que pode ser combinada com a trilha na montanha ao lado com snowshoes (e paisagens belíssimas), é só clicar aqui.}

CINEMA INDEPENDENTE NO SUNDANCE FILM FESTIVAL

O Egyptian Theatre, na Main Street, vestido para o Sundance Film Festival que acontece todo mês de janeiro. Imagem: Travis Wise

Park City é, desde 1981, sede do mais célebre festival de cinema independente do mundo, o Sundance Film Festival, que acontece todo fim de janeiro, no auge da temporada de esqui, quando a cidade recebe milhares de pessoas, entre espectadores, atores, diretores, produtores de cinema; e são grandes as chances de você cruzar com eles pela Main Street. Fundado em 1978 como Utah Film Festival com o objetivo de celebrar o cinema independente norte-americano, o Sundance hoje também abrange o cinema mundial através de um prêmio específico: o World Cinema Grand Jury Prize. Apesar de haver exibições também em Salt Lake City (a 40 minutos a oeste) e no Sundance Resort (a 40 minutos ao sul), é em Park City onde acontecem as principais sessões, eventos e festas (e o melhor: dá para fazer tudo a pé ou usando o transporte público e gratuito da cidade). Ano que vem, o Sundance Film Festival acontece entre 23 de janeiro de 2 de fevereiro de 2020. E já a partir de outubro, você pode comprar o pass que garante acesso prioritário (sem filas) para todos os filmes por US$ 4.000. Para os ingressos individuais (a US$ 25), eles são vendidos no dia anterior à exibição do filme, se a sessão não já estiver esgotada. {Para saber mais sobre o Sundance Film Festival, clique aqui.} E para o resto do ano, Park City também tem várias salas de cinema.

CAFÉ LEVADO A SÉRIO E COMIDINHAS SAUDÁVEIS, ORGÂNICAS E VEGETARIANAS

Na Park Avenue, paralela à Main Street, o Harvest, o favorito. Imagem: Shoichi Iwashita

Buddha Bowl of Goodness do Harvest: arroz marrom, purê de abóbora, tomate assado, repolho fermentado, ricota de ervas, avocado, folhas, sementes, castanhas e molho de miso. Delicioso. Imagem: Shoichi Iwashita

Park City tem lugares de comidinhas aonde eu iria todos os dias da vida. E todas as indicações a seguir têm em comum o horário de funcionamento: abrem de segunda a domingo, ou às 7h30 ou às 8h, e funcionam até às 15h. Portanto, em vez de tomar o café da manhã norte-americano-mediano do hotel, vale muito considerá-los para a primeira refeição do dia. 

Na 738 Main Street, tem o Atticus, uma mistura irresistível de café, livraria e casa de chá (uma ótima seleção que vai dos pretos aos rooibos, passando pelos verdes e infusões), que também serve smoothies com frutas frescas e ingredientes saudáveis como kale, espinafre, sementes de cânhamo, chia, goji berries, e comidinhas sem glúten, vegetarianas e veganas; tudo feito na hora.

Na outra extremidade da Main, no número 221, fica a Riverhorse Provisions, segunda casa de um dos melhores restaurantes da cidade que, em dois andares, conta com café, mercadinho gourmet e um restaurante informal com bowls de café da manhã e de almoço (prove o com o tofu, quinoa, kale, cogumelos; ou ainda o vegetable ramen bowl) e um menu de pratos enxuto para jantar cedo, entre as 16h e as 21h (mas aí, a lojinha já está fechada).

E aí tem os meus dois favoritos: o Harvest e o Five5eeds, duas casas com donos australianos que servem simplesmente os cafés mais incríveis e os pratos mais lindos e saudáveis — em ambientes adoráveis —, só com ingredientes da estação provenientes de fazendeiros locais, na maioria orgânicos. O Harvest fica na 820 Park Avenue, rua paralela à Main Street, e o Five5eeds, na 1600 Snow Creed Drive, em um centro de compras com estacionamento próprio, daqueles típicos dos Estados Unidos e nada charmosos (mas, uma vez lá dentro, o Five 5eeds vale toda a pena).

APRÈS-SKI: BAR-DESTILARIA CENTENÁRIO E SKI-IN, E MÚSICA AO VIVO

O saloon do High West Distillery Bar, um dos quatro ambientes dessa construção dos anos 1870, quando Park City era uma riqueza só, graças às minas de prata. Imagem: Shoichi Iwashita

Só para maiores de 21 anos e reservas obrigatórias (caso você não queira ficar horas esperando por uma mesa na alta temporada), o High West Distillery, o bar-destilaria-and-saloon (amo essa palavra que remete aos faroestes) mais antigo — e dos mais agradáveis — de Park City, têm uma particularidade: apesar de estar no centro histórico, ele é ski in, ou seja você pode chegar esquiando (basta pegar a pista Quittin’ Time para chegar). Mas não tente esquiar depois de beber.

Fundado nos anos 1870, o bar abre todos os dias, das 11h às 22h, e tem vários ambientes onde você só precisa provar as pimentas shishito na versão tempura e na glaceada com mel (nunca tinha comido e é viciante). O cardápio de comidinhas para compartilhar, sopas, saladas e pratos acompanham bem os uísques produzidos na casa com milho (bourbon) e centeio (rye). O High West Distillery fica na 703 Park Avenue, a rua paralela à Main Street, onde também está o Harvest. E não deixe de visitar a destilaria.

Já na Main Street, são vários os bares (também só para maiores de 21 anos), com muita cerveja artesanal e bandas de folk e rock alternativo: tem o subterrâneo e espaçoso O.P. Rockwell no número 268, que mais parece uma casa de shows e abre de quinta a sábado às 17h com música ao vivo começando às 20h {para conferir a agenda de shows, clique aqui}; tem o The Spur, também na Main Street 352, aberto todos os dias das 10h à 1h da manhã, que tem não só comidinhas deliciosas, mas também clima animado com música ao vivo quando cai a noite, além de uma carta variada de cervejas e uísques de todos os tipos; e para algo mais tranquilo, para degustar cervejas artesanais ou vinhos norte-americanos dos estados de Oregon, Washigton e Califórnia acompanhados de excelentes queijos locais, o destino é o Old Town Cellars, no número 890 da Main Street. Mas não espere aquele ambiente empolado típico das casas de vinho. Aqui, os atendentes parecem skatistas (ou melhor, snowboarders jovens, vestindo camisetas e bonés), e impressiona o armazenamento dos vinhos, que vêm das vinícolas em grandes embalagens a vácuo que são acopladas no moderno sistema de extração, permitindo provar cada vinho em quantidade de degustação (entre US$ 4 e US$ 6) ou em taça (entre US$ 10 e US$ 16), além das garrafas.

SPA TIME NO ELEGANTE WALDORF ASTORIA PARK CITY

O lounge subterrâneo e com lareiras do spa do Waldorf Astoria: um convite ao relaxamento. Imagem: Shoichi Iwashita

Com salão de beleza, academia, pilates, lounge, jacuzzi outdoor aquecida, amplos vestiários com sauna e salas de tratamentos e massagens com terapeutas incríveis, o completo e elegante spa do hotel Waldorf Astoria, em Canyons Village, é o endereço para relaxar em Park City. Calcule US$ 180 para uma massagem Signature de 50 minutos e US$ 260 para uma de 80 minutos, que incluem o uso de todas as instalações do spa no dia do tratamento. Só não deixe de depois da massagem passar no Powder, o ótimo restaurante do hotel para um lanche da tarde ou doce com café. O hotel Waldorf Astoria fica na 2100 Frostwood Drive.

LEIA TAMBÉM:

— Park City: Os hotéis para você aproveitar ao máximo esse destino de esqui cheio de história e personalidade

— Park City: A cidade bilionária que perdeu tudo e se tornou um dos mais interessantes – e completos – destinos de ski do mundo

Arte-Banner-Instagram-Divulgacao-10