Comportamento

Países desenvolvidos podem ser bem irritantes

Eu sou a pessoa mais calma, paciente e educada do mundo; e, em viagens, sempre tento me adaptar observando as regras de comportamento da cultura local. Mas se tem uma coisa que pode irritar não só a mim, mas a brasileiros — e nativos de outros países considerados “bagunçados” — em geral é essa extrema organização dos países desenvolvidos. A gente adora enaltecer as qualidades dos países onde tudo funciona; onde as pessoas são educadas, os serviços eficientes. Mas essas características influenciam — ou são...


A ditadura do siga-de-volta

Quero a liberdade de seguir quem eu quiser  porque os posts das pessoas que escolho seguir são interessantes para mim. Quero ter a liberdade de segui-las pelo tempo que eu quiser, sem ter de ficar explicando — para ela — por que deixei de segui-la, se um dia eu me cansar de acordar TODOS OS DIAS vendo uma selfie  com frase de motivação ou as taças de champagne com o seu cartão de embarque nas salas VIP dos aeroportos do mundo em fotos sem qualquer legenda...  O que não vai mudar em NADA o meu sentimento e nossa amizade, preciso...


Black Mirror, uma série desconfortavelmente incrível

Como um espelho preto. É assim que ficam as telas das TVs, monitores e celulares, quando desligados. E esse é o nome de uma das séries mais apocalípticas e interessantes já escritas para a TV. Dá vontade de descrever o roteiro do primeiro episódio, The National Anthem, mas contar qualquer coisa a partir do quinto minuto, já seria contar demais. É preciso assistir. É sempre fascinante quando um filme consegue incomodar, fazer refletir ou despertar sentimentos nem sempre muito presentes. Monika e o Desejo, de Ingmar Bergman, Dançando...


Não respondi o whatsapp; nada pessoal

Mesmo se o dia tivesse 80 horas, ainda assim seria impossível ver todas as atualizações, comentários, conversas e matérias compartilhadas pelos amigos e pessoas que seguimos nas timelines  do Facebook, do Instagram e do Twitter (e as mensagens inbox  e direct ); além de responder todos os e-mails de trabalho (prioridade), ler todos os links  interessantes das newsletters; ver todos os novos vídeos dos canais que a gente assina no Youtube, os snaps  do Snapchat (tem gente que parece não conseguir mais viver sem compartilhar cada...


Benditos defeitos

E Mário Quintana continua: “Cultivemo-los pois, com o maior carinho — esses nossos benditos defeitos”. Não julgue os outros — e nunca se sinta de qualquer forma diminuído — por que “eles”, os outros, não compartilham da mesma opinião, jeito de vestir e nível cultural ou de sofisticação que você, independentemente do que seja considerado melhor ou pior. São infinitas as verdades e maneiras de ver, vestir, pensar e viver a vida. Só a diversidade e o contraste enriquecem o nosso olhar, e só o respeito e a aceitação...


Sprezzatura, a arte de chamar atenção sem ser descoberto

Sempre foi vulgar parecer que você está se esforçando para ser chique. Nas cortes do século 16, não bastava ser hábil nas armas, nos esportes, na música e na dança, sendo a sprezzatura uma habilidade essencial do cortesão ideal. Essa era a opinião de Baldassare Castiglione — ele mesmo um cortesão da corte da duquesa virgem de Urbino —, que ele descreve em seu livro Il Cortegiano (O Cortesão, em italiano), publicado em 1528, quando as intrigas palacianas eram rotina (e resultavam em mortes e envenenamentos), a justiça...


Likes get you high?

Em 2014, eu tive dates com três caras que tinham mais de “10 k” (em inglês, um k equivale a “000”), ou seja, que tinham mais de 10 mil seguidores no Instagram. Até então (até 2013), o Instagram pra mim era uma rede social em que a gente postava fotos de que a gente gostava, sem nenhum compromisso de agradar a um venerável público. Mas tudo mudou. E confesso que escutar frases como “meus fãs gostam de ver fotos minhas”, “se uma foto tiver menos de 500 likes, eu deleto porque queima meu filme”, “meu ex-namorado não...


Arte misândrica

Misógino é aquele que sente ódio, aversão ou desprezo pelas mulheres. É um sentimento ainda bastante presente — na música, na literatura, nas opiniões — seja de forma explícita, seja de forma velada, no discurso machista de homens E mulheres, apesar da atração sexual que possa existir entre o interlocutor e o objeto de seu desejo-desprezo. Mas, talvez como uma forma de lutar contra séculos de opressão (ou mesmo se vingar de uma traição, do desprezo e da humilhação por um homem), cada vez mais artistas mulheres produzem...


Anna Wintour boicota o Meurice

Depois que o sultão de Brunei, um dos homens mais ricos do mundo, implementou a sharia* no seu minúsculo estado do sudeste asiático encravado na Malásia (a lei entrou em vigor no dia 1 de maio de 2014), grandes nomes da moda e dos negócios decidiram boicotar alguns dos hotéis mais incríveis de Paris, Londres e Milão (Le Meurice, Plaza Athénée, The Dorchester, Principe di Savoia), que fazem parte da Dorchester Collection, da qual Hassanal Bolkiah, the sultan, é dono. E, depois de François Pinault (dono da Kering, aka Gucci,...


#SomosTodosRacistas

Posta foto comendo banana com a hashtag #SomosTodosMacacos (não vou NEM comentar a #VergonhaAlheia do oportunismo do tal apresentador da Globo), mas acha que a empregada é uma folgada e não entende como empregadas podem ficar doentes no dia em que ela organizou um jantar (tampouco entende por que um pobre pode querer uma TV de LED em casa e querer se divertir: QUANTA ousadia). Se o filho aparece namorando uma negra, então... = #SuicídioSocial). Fala mal do Brasil, que quer ir embora deste país de m***a, mas, ah, detesta política. É...


Ter é cuidar; tenha menos e viva mais

Entendo cada vez menos pessoas que desejam comprar ou compram casas de praia ou de campo, fazendas, barcos, aviões, ou mesmo carros muito caros (até obras de arte). Entendo cada vez menos pessoas que precisam comprar roupas a cada coleção, redecorar a casa todos os anos. Ter é ter de cuidar, manter, se preocupar, se dedicar, ter carinho, limpar (já vi gente muito legal com celulares, computadores e cabos nojentinhos de sujo). Não importa se é um jardim, um cachorro, sapatos ou uma coleção de selos. Tem o tempo que envelhece, a...


Amor, eu te quero mas sai daqui.

Pessoa que sei que está sofrendo mas está postando foto “feliz” na balada, com copo de champagne na mão, amigos lindos, com o único objetivo de atingir UMA pessoa: o ex - que também está sofrendo e acha que o outro não está nem aí pra ele. Corta. Namorado que se relaciona mais com seus followers  no Instagram — porque está sempre sensualizando, mostrando o quanto é desejado pela sua beleza — que com seu companheiro. Corta. Pessoa para quem os “amigos” — sempre muitos; dezenas deles — e a “balada e as balas”...


É muito “amor” nas redes sociais

Pessoas que postam foto com amigo legendando “amigo que eu tanto amo” — mal conhece — ou “saudades” — mentira — só por que saiu bem na foto. E o amigo nem tanto. Nas redes sociais, o único amor que existe é o amor a si...


Nomofobia

Angústia causada quando você está impossibilitado de postar ou se comunicar através de algum gadget (telefone celular, tablet ou computador); é a fobia de se ficar sem um aparelho de comunicação móvel, sem poder checar a cada minuto quem está curtindo seu post ou sua foto. O termo vem do inglês, no-mo (no-mobile). Falta de sinal 3G no celular também pode causar nomofobia, especialmente quando você quer muito postar uma foto no Instagram e o upload  nunca carrega e termina em...


Drogas, drogas

Drogas para se divertir. Drogas para dormir. Drogas para se manter acordado e aumentar o foco no trabalho (a mesma que se usa para deixar as crianças focadas - e obedientes). Drogas para ficar bonito, sarado e desejado. Drogas para transar (e não estou falando só de Viagra). Drogas para viver. Temos usado drogas nos momentos mais cotidianos e naturais da vida. Produza, divirta-se, conquiste, consuma, seduza, aumente o seu poder sobre os outros, that's the motto. Ou essa “evolução” é como tudo deveria ser no século 21 ou tudo está...


Não seja um idiota no trânsito

Quem é rico - de verdade - é generoso. Porque não há elegância sem generosidade e porque ela nos faz sentir bem. E um ótimo lugar para praticar a generosidade (é fácil ser generoso com nossos queridos amigos) é no trânsito. Abaixo, seguem algumas observações (sinta-se livre em nos mandar sua contribuição): O SEU CARRO -- Regra de ouro: não é por que você tem um Bentley ou uma Ferrari, e por que você vive num país de miseráveis e se acha o máximo porque tem dinheiro, que você não precisa respeitar as leis de trânsito...




Preconceito de luxo

O que dizer de pessoas que sempre - e apenas - amam o novo, mas quando o "novo" se populariza elas passam a odiá-lo? Escrevendo sobre a inauguração da Maison Baccarat em Moscou e citando o designer francês Philippe Starck, me veio à cabeça uns textos que venho escutando há algum tempo... Acho interessante observar pessoas dizerem, em um dado momento – geralmente quando a informação é nova ou inédita –, que AMAM uma banda, um designer, ou até um ingrediente, e depois de um tempo – geralmente, quando a informação se torna...


Respeito às diferenças, sempre

Eu vejo as pessoas tirando sarro dos fãs da Lady Gaga, mas eu acho ótimo que essa novíssima geração tenha Gaga, Restart, Cosplay ou, mesmo, drag queens  ícones que continuem a simbolizar a liberdade de estilo, a falta de escrúpulos no uso das cores e dos materiais, a questionar as noções de masculino-feminino, noite-dia, elegância-cafonice. O mundo é bem mais divertido desse...


O comportamento aprendido

Estava mexendo nas Monocle antigas e me deparei com um grifo que define muito a influência da cultura e da mídia sobre o nosso comportamento: “Como você saberia paquerar, brigar, beber, fumar, namorar, beijar sem ter visto isso na TV ou em um século de filmes? (...) Da mesma maneira que a atuação se tornou mais naturalista, mais Stanislavski, nosso comportamento da vida real se tornou mais 'estilizado', mais kabuki”. De Robert Bound (em tradução...


Sempre haverá novos ricos

Deu o que falar a crônica de Danuza Leão para a Revista RG Vogue de dezembro último. Intitulada Down no High Society, a escritora faz uma severa crítica aos endinheirados du jour, assumindo o mesmo radicalismo que critica no texto e ditando o que, na sua opinião, é verdadeiramente chic. É claro que ninguém discorda das suas precisas observações a respeito dessa nova tribo, os nouveaux-riches  afetados, arrogantes e sedentos por status. São pessoas que só se relacionam com os seus iguais, ignoram completamente pessoas...


WordPress Theme built by Shufflehound. Todos os direitos reservados. © 2018 - Simonde