• CONTINENTE

  • PAÍS

  • REGIÃO | ESTADO

  • CIDADE

  • CARACTERÍSTICAS

  • BAIRRO

  • ESTILO

  • NÍVEL DE PREÇO

  • ÉPOCA

  • PALAVRAS-CHAVE

Restaurantes

Naples, Flórida, onde comer: Da melhor key lime pie do sul dos Estados Unidos à Índia, passando pelas opções orgânicas-vegetarianas-veganas

Atenção: todos os restaurantes de Naples fecham cedo para jantar; programe-se. Na foto, a entrada no icônico Continental,  que fecha às 22h, um lugar para ver-e-ser-visto e perfeito para uma torta com café à tarde. Imagem: Shoichi Iwashita Se a key lime (um tipo de limão pequenino, amargo, ácido e de casca fina) leva esse nome por conta das mais de 1700 ilhotas — “keys”, em inglês — localizadas no extremo sul da Flórida, é aqui em Naples onde você vai comer a melhor key lime pie, essa torta onipresente nos cardápios do...


Evvai: Pupilo de Salvatore Loi, chef Luiz Filipe entrega a mesma elegância de uma gastronomia italiana autoral (e com preços mais convidativos)

O chef  Luiz Filipe Souza nem chegou aos 30 anos de idade, mas experiência (relevante)  na gastronomia italiana não lhe falta. Ele foi pupilo de Salvatore Loi por oito anos, passando pela cozinha do restaurante Fasano, e depois nas incursões individuais do chef  no Girarrosto (fechado), no Loi Ristorantino (hoje só “Ristorantino”) e no Salvatore Loi, na Rua Joaquim Antunes, espaço que Luiz Filipe assumiu quando Loi deixou a sociedade para abrir o Mondo, e que hoje é o Evvai: seu primeiro e já bem sucedido voo...


Enoteca Saint Vin Saint: Com décor bourgeois-bohème, o único restaurante sustentável 100% orgânico de São Paulo

Toda vez que pergunto a restaurantes com discurso local-saudável-sustentável se todos os ingredientes do cardápio são orgânicos, as repostas são sempre cheias de reticências, um “é complicado…” ou “nem sempre, só quando a gente consegue…”  E atenção, pois mesmo restaurantes certificados com o selo “Orgânico” não precisam usar apenas ingredientes sem agrotóxicos para conseguir o selo. Mas a chef e sommelière Lis Cereja nos mostra que, apesar de dar muito mais trabalho, é possível sim, e faz da...


Chef Rouge: Um dos restaurantes mais elegantes e agradáveis de São Paulo, agora com bar Louis Roederer e consultoria da Ducasse Conseil

O Chef Rouge é um dos restaurantes mais agradáveis e elegantes de São Paulo, e um dos últimos bons restaurantes de restaurateurs da cidade (junto talvez com os de Rogério Fasano, depois da decaída recente dos restaurantes do Marcelo Fernandes, do Attimo ao Kinoshita). {Veja todas as nossas fotos ao final da matéria.} No coração dos Jardins, o restaurante que já completou 25 anos — e abre aos domingos para jantar #amo — conta com três ambientes distintos que entregam experiências totalmente opostas: uma varanda...


Jun Sakamoto: Um dos melhores e mais cerimoniosos sushi de São Paulo (mas que serve salmão chileno de cativeiro)

O endereço é um só — uma casinha na rua Lisboa quase esquina com a Rebouças, sem nome e com o portão fechado, ou seja, praticamente invisível — e, apesar de contar com apenas 36 lugares, é como se fossem dois restaurantes em um. No primeiro, a experiência mais exclusiva: apenas de segunda a sexta (apesar de o restaurante também abrir aos sábados), oito pessoas ocupam parte do balcão, para começar a jantar, juntas, às 20h, provando exatamente o mesmo omakase  (menu-degustação) de 16 etapas, formado principalmente por sushi,...


Restaurantes vegetarianos e vegetarian-friendly em São Paulo

Com tantas denúncias sobre o excesso de agrotóxicos nos alimentos e os impactos extremamente negativos da pecuária no mundo (ou mesmo por consideração aos animais), existe uma tendência grande nos países desenvolvidos ocidentais de priorizar ingredientes orgânicos, locais, sazonais, e reduzir — ou mesmo abolir — o consumo de carne e outros produtos derivados de animais. Do Burger King, que lançou um sanduíche vegetariano, a grandes restaurantes do mundo que já propõem menus livres de carne (Per Se e Daniel, em Nova York;...


Trancoso, comidinhas: Do espresso ao sanduíche passando pela típica tapioca no Quadrado

Duas dicas para evitar stress não só em Trancoso, mas em toda a Bahia: 1. Saia do ritmo mental e de exigência do típico paulistano workaholic  sempre apressado, pois o ritmo de serviço aqui é diferente; 2. Tenha sempre dinheiro — e dinheiro trocado — para as contas, pois as máquinas de cartão nem sempre têm sinal para funcionar e troco pode ser raro (pode ser do tipo “peraí, que eu vô ali trocar”  e demorar meia hora; ah, os caixas eletrônicos podem estar fora de serviço também, fique atento). De resto, calce seus...


Lasai: Cozinha de ingredientes – e excelente serviço de café – em um dos melhores restaurantes do Rio de Janeiro

É inadmissível ir a um restaurante gastronômico, pagar caro e sair com fome, já que é de total responsabilidade do chef  — um profissional — o exercício de lidar com os diferentes tamanhos de apetite dos clientes e planejar uma experiência perfeita para todos  (e, acredite, já passei por isso algumas vezes). E como eu tinha feito uma reserva para as 21h30 (por causa do cansaço do dia na praia, no Rio eu sempre gosto de tirar um cochilo antes do jantar), em vez de escolher o menu com 14 etapas-tapas, intitulado Festival  (R$...


Ryo Gastronomia: Um dos melhores restaurantes – não só japoneses – de São Paulo

Em vários dos bons restaurantes japoneses de São Paulo (Shinzushi, Kan, Kinoshita) é possível pedir um omakase, a versão nipônica dos menus-degustação, uma sequência de pratos frios e quentes — do sashimi  ao tempura, passando por outras receitas menos óbvias — que pode levar o nome de kappo  ou kaiseki ryoori  {como a definição dos termos não é muito clara, fiz um vídeo explicando a diferença entre eles, que você confere clicando aqui}. Mas o Ryo Gastronomia, do itamae  Edson Yamashita (ex-Sushi Kan, no Japão;...


Le Cinq: Um restaurante três estrelas onde cada prato celebra um ou, no máximo, dois ingredientes

Uma das exigências para que um hotel na França receba a distinção palace  é a gastronomia de exceção {para entender o que é e quais são esses hotéis hors concours, clique aqui}. E, por isso, Paris é a cidade onde alguns dos melhores restaurantes — não só da cidade, mas do mundo — ficam dentro de hotéis. Mas se Alain Ducasse, que é responsável pelos restaurantes principais do Plaza Athénée e do Meurice, e os restaurantes dos novos palaces  chineses — Shangri-La, Mandarin, Peninsula — têm caminhado para ambientes...


Aizomê: Uma chef por trás de um dos melhores restaurantes japoneses de São Paulo

Que o Japão é um país extremamente machista, quem já foi sabe. No teatro kabuki, apenas homens interpretam personagens masculinos e femininos. Nos negócios, praticamente não existem mulheres no topo da hierarquia corporativa (e mais da metade das poucas presidentes de empresa no Japão herdaram o cargo de algum parente). Na política, você tampouco irá encontrá-las. E na gastronomia é a mesma coisa: você nunca verá uma mulher atrás de um balcão de sushi  (ou mesmo trabalhando nas cozinhas dos mais famosos restaurantes do...


São Paulo do alto: Os bares e restaurantes em rooftops com as melhores vistas para o skyline paulistano

Cidades verticalizadas, com muitos prédios, para nós que estamos ali do chão, são bastante — e esteticamente — opressoras. No nível da rua, o horizonte deixa de existir, o céu é apenas um feixe quando temos tempo de olhar para cima e, talvez por isso, a sensação de se estar acima do mar de prédios seja tão prazerosa. Do alto, a feiura das cidades que se desenvolveram sem planejamento se dilui na grandeza da metrópole, os problemas são invisíveis, as individualidades se dissolvem, temos de volta o céu e o horizonte. E a...


Esther Rooftop: Comida de bistrô e terraço com vista na melhor parte do centro de São Paulo

A grande questão seria saber como conseguir se sentar sempre  em uma daquelas três mesinhas para duas pessoas que ficam coladas no vidro do terraço com vista (e não há melhor lugar para passar o fim de um sábado ensolarado no centro de São Paulo, tomando vinho orgânico, já que eles não fecham entre o almoço e o jantar). Mas não tem jeito, tem de chegar cedo e tentar a sorte, já que no Esther Rooftop, eles não fazem reservas. Só que mesmo se sentando no salão interno (não deixe de passear pela varanda com toldo retrátil para...


Courchevel: A gastronomia savoyarde e duas dicas de restaurantes que não custam uma fortuna

Courchevel fica na Savoia (em francês, Savoie ), um departamento da região de Auvergne-Rhône-Alpes. Mas a Savoia de hoje era um pedaço do condado-depois-ducado-depois-reino  que pertencia à Casa di Savoia, uma das nobres famílias mais antigas da Europa (com mais de mil anos), e abrangia não só esta região no sudeste da França (chegava até Nice, hoje na Provence), mas também parte da Itália (o Piemonte) e o sudoeste da Suíça (Vittorio Emmanuele II, príncipe da Casa di Savoia e Rei da Sardenha, doou o território para a França...


Matsuhisa: Comida nipo-peruana no coração do hotel-palácio Royal Monceau

Sempre que leio que algum chef  de quem gosto está abrindo uma franquia parece uma traição, como se ele tivesse trocando a arte pelo comércio, mais preocupado com o dinheiro que com a qualidade. Mas as boas franquias — aquelas que conseguem manter o padrão — têm um lado bom: para os locais e quem viaja frequentemente e deixa de buscar apenas o que é genuíno e regional, elas permitem experiências familiares em várias partes do mundo. E assim como eu AMO comer os cinnamon rolls  da Cinnabon em Los Angeles ou em Dubai, o Black...


Jiquitaia, comida brasileira autoral, saborosa e o melhor preço

Pelo preço fixo de R$ 79 (entrada + prato principal + sobremesa, no jantar e nos fins de semana; e R$ 49! no almoço durante a semana), o Jiquitaia se consolidou de forma muito bem sucedida com sua fórmula que alia comida autoral com ingredientes brasileiros — bem executada, bem apresentada (só nas sobremesas que o aspecto é mais caseiro, mas não menos saboroso); e ainda dá para ter uma refeição vegetariana completa ou, mais precisamente, ovolactovegetariana —, preço mais-que-honesto e ambiente simples e agradável (e fácil de...


Ritz Jardins, ambiente aconchegante, comidinhas variadas e bem feitas e ótimos drinques

Eu nunca entendi por que quando você compra peito de peru nos supermercados de Nova York, a carne é branca como se fosse o do peito do peru de Natal, assado e fatiado, e aqui no Brasil, o único peito de peru que a gente encontra é esse embutido (como salsicha) e rosa (ou seja, nada natural, e ainda por cima cheio de sódio). Por isso eu adorava a Salada do Chefe do restaurante Ritz — opção perfeita para quem quer uma salada com proteína — que vinha sempre com o peito de peru assado e desfiado na salada, junto com a muçarela de...


Princi Londres, o espírito de Milão – com pizza e espresso – no coração do SoHo

A Princi do SoHo londrino (única filial da rede fora de Milão) segue a mesma identidade da Princi da Piazza XXV Aprile antes da reforma de 2014, assinada pelo arquiteto Claudio Silvestrin (que projetou dezenas de lojas Giorgio Armani pelo mundo e é colaborador da Boffi), e que fez a fama da padaria mais saborosa, contemporânea e elegante da Itália: pedras em tons de bege e cinza não polidas, a disposição dos pães em aberturas retangulares na parede, os totens de pedra para apoio, poltronas de couro, o staff  todo italiano (simpático...


Armani/Ristorante Milano: Um macaron Michelin, com sobremesas que valem 3

Enquanto para ser bem sucedido na moda, gerar desejo é um dos maiores desafios para o sucesso, na restauração e na hotelaria são muitas  outras complexas variáveis envolvidas para atingir o mesmo resultado. Apesar do sólido sucesso de Giorgio Armani no mundo da moda, dos perfumes e do design  (já são 40 anos de uma carreira sem igual de tão bem sucedida), foi com desconfiança que muita gente recebeu a notícia da abertura do hotel e restaurante do estilista em Milão (cidade com tradições hoteleira e gastronômica bastante...


The Wolseley, imponência e comidinhas: do English breakfast ao jantar, passando pelo afternoon tea

Num belíssimo e grandioso edifício art déco  construído em 1921 para ser o showroom  dos carros Wolseley Motors Limited (sim, os carros ficavam estacionados sobre esse magnífico mármore florentino preto e branco), o The Wolseley é um grand–café–brasserie, aberto o dia todo, das 7h da manhã à meia-noite (o que a gente adora), sempre cheio (é bom sempre reservar, mesmo que seja para o dia seguinte às 15h30), numa das melhores localizações de Londres: ao lado do hotel Ritz, a uma quadra da Jermyn Street, da Royal Academy of...


Osteria del Pettirosso, um dos melhores italianos de SP

Em tempos de gastronomia midiática que não se cansa de inventar muódas  para chamar a atenção, como é bom “voltar para casa” e comer comida de verdade, tradicional, com ingredientes selecionados, bem executada e sem pretensões (essas que nem sempre dão certo). E as chances de satisfazer o estômago — e a alma — são bem maiores quando se trata de comida italiana: seja com um gelato, uma pizza  ou uma pasta  com molho de tomate fresco. A Osteria del Pettirosso fica numa casinha despretensiosa (mas com aquele charme...


Temporada Umami do chef Shin Koike

Sendo o umami a mais importante característica da cozinha japonesa, o chef nihonjin  Shin Koike (ex-A1, ex-Aizomê — do qual continua sócio — e que acaba de assumir a cozinha do que era seu segundo restaurante, o Sakagura A1) oferece a Temporada Umami, até o dia 6 de novembro (sexta-feira que vem), um menu-degustação apenas servido no jantar que tem por objetivo despertar a nossa sensibilidade para o quinto gosto. Ao estilo omakase, o menu é composto por cinco etapas: 1. um petisco (vieiras e tomate com parmesão gratinado: como...


Nova York: Restaurantes

É possível comer o mundo em Nova York. E comer bem, muito bem. No caldeirão, considere os seguintes fatos: 1) são mais de 17 mil restaurantes espalhados em 828 quilômetros quadrados; 2) mais da metade da população é formada por imigrantes de 170 países; 3) desde o extraordinário crescimento econômico do século 19, a cidade é uma das mais ricas do planeta (os nova-iorquinos quase não comem em casa e gostam de comer bem em ambientes estilosos); 4) alguns dos mais célebres chefs  do mundo (americanos e estrangeiros) têm suas...


The Modern no MoMa

Templo da arte moderna (foi o primeiro museu dedicado à arte moderna e contemporânea e hoje tem um acervo de 150 mil das mais importantes obras desse período) eu não consigo ir à Nova York sem passar pelo MoMA, seja para ver uma das sempre interessantes exposições temporárias, assistir a um filme ou rever obras do acervo permanente. E para quem gosta de comer, o que seria melhor que estar em contato com a melhor arte e ainda poder apreciar uma refeição duas estrelas Michelin no mesmo lugar? Com uma localização única e especial,...


Alain Ducasse au Plaza Athénée

Tirando os bistrots  (Aux Lyonnais, Benoît, Rech) e o restaurante da Torre Eiffel, o Jules Verne, são dois os grandes — e estrelados — restaurantes Alain Ducasse em Paris. Os dois ocupam o térreo de hotéis-palácio (a distinção máxima do luxo na França): o Meurice e o Plaza Athénée, e os dois hotéis pertencem à Dorchester Collection, cujo dono é Hassanal Bolkiah, o sultão de Brunei. E não há restaurante no mundo com teto mais deslumbrante do que o Alain Ducasse au Plaza Athénée (felizmente eles mantiveram a...


Baby Beef Rubaiyat

O pão de queijo é delicioso, daqueles que você sente a textura do queijo derretido na boca. Com relação ao couvert  (com comidinhas e dez tipos de pães, todos feitos na casa em forno de barro e que passam quentinhos, toda hora), é preciso ter muito autocontrole e saber a hora de parar, pois corre-se o risco de não se conseguir chegar nem ao prato principal (por isso, vá em dois ou quatro e compartilhe os pratos: das entradas às sobremesas, as porções são muito bem servidas). E, apesar de ser considerado por muitos especialistas...


Shin Zushi, dos melhores japoneses, o mais tradicional

Amo a gritaria do Shin Zushi (o pessoal no balcão pede alguma coisa e todas as garçonetes — até as brasileiras — gritam haaaaaai ). Da família Mizumoto (já na segunda geração), com o Ken no balcão e a Miyuki-san, sua mãe, no gerenciamento do salão, o restaurante é um japonês tradicional (no atendimento, na decoração, na clientela majoritariamente japonesa) e sem firulas. Meu pai, que é japonês “importado”, não se sente bem em restaurantes como o Jun Sakamoto e o Kinoshita porque só tem brasileiro, os...


Pomodori

Ontem voltei ao Pomodori, que é-era-não-sei-mais  um dos meus restaurantes favoritos na cidade para conferir a nova decoração e o novo cardápio. Mas, apesar de o ambiente ter ficado exatamente do jeito que a gente gosta (a decoração antiga era um dos pontos desfavoráveis), com muita madeira e — que combina lindamente com — tons escuros de cinza nas paredes e estofados, pagar R$ 200 por pessoa, pedindo couvert, entrada, prato principal, sobremesa e café (sem vinho + R$ 20 de manobrista) e sair com fome de um restaurante não é...


Gordon Ramsay

Ele já expulsou um crítico do Sunday Times  de seu restaurante, já comandou reality-shows  gastronômicos onde a palavra f*** é pronunciada a cada três segundos e já foi processado por seu chef pâtissier  por agressão. Mas, apesar das críticas à sua pessoa, o Gordon Ramsay “flagship” em Chelsea (seu império é formado por mais-de-um-restaurante em lugares tão distantes quanto Londres, Nova York, Los Angeles, Las Vegas, Versalhes, Toscana e Doha) é, assim como o Eleven Madison Park em Nova York (que é a quintessência de...


Le Bernardin, o três estrelas clássico e sem erros

Dos três macarrons  Michelin em Nova York, o Bernardin (1986) — junto com o Jean-Georges — talvez seja menos emocionante se comparado ao Per Se (2004) ou ao Eleven Madison Park (2006).  Mas de um restaurante que já nasceu clássico há trinta anos (quando foi transferido da Rive Gauche parisiense para a Big Apple), isso não é algo negativo. O Bernardin sempre esteve — e continua — no topo máximo das avaliações do Michelin, do New York Times (há mais de 20 anos consecutivos com quatro estrelas) e, em Nova York,é o...


Byblo’s

Quando em um restaurante de comida étnica — seja italiana, japonesa ou árabe —, ver estrangeiros “de origem” ou descendentes em busca da “comida da família” entre os frequentadores é sempre um sinal muito bem vindo de que o estabelecimento 1. é fiel às tradições e, principalmente, 2. tem comida boa (por isso sempre levo meu pai a restaurantes japoneses; ele tem uma sensibilidade para o sabor e a textura do arroz que eu não tenho). E no Byblo’s, restaurante de comida libanesa situada nesta ruazinha em Campo Belo que, num...


Trufas pretas de Norcia no Fasano

Se comer ostra é como comer o “mar”, comer trufa é comer a “terra”. Das trufas pretas, as mais famosas são as do Périgord, região que faz parte da Aquitaine (mesma região de Bordeaux), no sudoeste da França, mas italianissimo como o Fasano é, são as trufas pretas da comuna de Norcia (na Perugia, no centro da Itália) que são servidas durante a curta temporada que acabou de começar e deve durar até o fim de fevereiro. Diferentemente das trufas brancas, selvagens, que simplesmente surgem na terra, as trufas pretas são...


The Nomad Restaurant

Quando entrei no Nomad, foi paixão à primeira vista. O hotel-e-restaurante que leva o nome do bairro onde está situado (NOrth of MADison Square Park) é aconchegante e faz a gente se sentir em casa - e no Costes (até saber que a decoração elegante em clima de boudoir – sooo French – era assinada pelo mesmo Jacques Garcia, que também decorou o Costes lá no comecinho dos anos 1990; explicado). Tanto o Costes como o Nomad são hotéis AND restaurantes de único nome. Mas, enquanto o Costes está numa localização incrível em...


Chou

O Chou é um restaurante de comidinhas simples, bem preparadas com ingredientes frescos, não fotogênicas mas cheias de sabor, em uma charmosa casinha decorada com móveis rústicos e que tem um agradável quintal-jardim — nosso lugar preferido para jantar —, que no inverno ganha aquecedores e mantas, e no verão pernilongos (vá de calça comprida e repelente nos braços). O Chou poderia facilmente estar em Palermo Viejo. Pra começar, peça o couvert e entradinhas para beliscar (adoro o chevrotin, as lulinhas na chapa com aioli e os...


Eleven Madison Park

Assim como o Gordon Ramsay da Royal Hospital Road  em Londres, o Eleven Madison Park é a quinta-essência gastronômica de Nova York: fica em frente ao Madison Square Park (e no MEIO, entre uptown  e downtown, entre o oeste e o leste de Manhattan); o salão dramático tem pé-direito alto com grandes janelas (bem bonito na hora do almoço com a luz do dia); fica num prédio art-déco que parece ter saído de Gotham City; é fun and entertaining - talvez herança do showbiz  norte-americano -; e o serviço é mais solto, menos formal que em...


Novos pratos na Trattoria Fasano

Os restaurantes do Grupo Fasano são sempre um porto seguro quando se quer ambiente elegante, comida clássica, bem feita e sem firulas, e bom serviço (infelizmente cada vez mais raro até mesmo em restaurantes caros em São Paulo). Para comemorar o primeiro ano da Trattoria Fasano (saiba tudo clicando aqui), restaurante no Itaim dedicado à cozinha aconchegante do centro e do Sul da Itália, novos pratos entraram no cardápio e experimentamos alguns deles (todos os pratos citados nesta matéria são novos): O carpaccio de lula...


Tuju

A arquitetura, a qualidade dos ingredientes e a apresentação dos pratos do Tuju — em belíssimas e variadas cerâmicas — são completamente ofuscadas pela iluminação que não valoriza as cores da comida (principalmente nas mesas ao fundo do salão), e, principalmente, pelo serviço lento, desatencioso e confuso. Você pede o couvert e trazem apenas um micropotinho de manteiga e um de sal para a mesa (de seis pessoas), esquecem entradas, trazem os pratos principais sem tirar os pratos das entradas (e lá se vai chamar alguém pra...


Fasano, o único restaurante de luxo de São Paulo

Mal sabe o paraíso que espera um desavisado visitante por trás de uma discretíssima porta no lobby  de um hotel, que poderia ser a de um banheiro. O Fasano é o único restaurante de luxo de São Paulo. Garçons de smoking, ingredientes tradicionais sempre disponíveis (caviar, foie gras, cortes nobres de carne, peixes e frutos do mar fresquíssimos), carta de vinhos importante (com preços que fazem do céu o limite), ambiente imponente, mármores, madeiras, pé-direito alto, teto retrátil, piano ao vivo. Mas não é aquele luxo...


Maní

Eu tinha dificuldade em entender todo o reconhecimento do Maní. Gostava muito dos drinques e dos belisquetes (não deixe de provar o trio de bombons, não dá vontade de parar de comer), amava as sobremesas, mas mesmo sabendo que tudo lá é executado à perfeição, quando chegava na hora de escolher os pratos, lia, lia, e sentia dificuldade de ser seduzido pelas descrições dos pratos no cardápio (e não foram todas as vezes que eu gostei dos pratos que pedi). Até provar o menu-degustação, talvez, a melhor experiência, a mais redonda,...


Temporada de trufas brancas no Fasano

Se o clima for favorável (chuva, solo fresco e úmido, temperatura média de 6 graus), a temporada de caça às trufas brancas na Itália vai de meados de outubro a dezembro. E há mais de vinte anos durante a stagione del tartufo bianco, o restaurante Fasano de São Paulo nos oferece muito bons exemplares das trufas brancas de Alba acompanhadas de receitas simples, mas impecavelmente executadas. Alba é uma cidade medieval cercada por colinas e florestas, situada na região do Piemonte, famosa não só por causa desse raro — e indomável...


Tappo Trattoria

A foto ao lado representa bem a nova fase do Tappo com a chegada do competente jovem chef  italiano-naturalizado-brasileiro — e lindo — Rodolfo de Santis (antes do de Santis, o Tappo não era um restaurante que se sobressaía). Os pratos antigos do pequeno (com apenas 28 lugares, por isso, reservas são fundamentais), aconchegante e bem frequentado restaurante de Benny Novak (conhecido pelo excelente francês Ici Bistrô) ainda estão no cardápio, mas, aos poucos, Rodolfo, que chegou ao Tappo em novembro de 2013, vem incorporando seu...


Bar da Dona Onça

Acompanhando a linha curva e sensual do edifício mais emblemático de São Paulo, no térreo do Copan (projeto de Oscar Niemeyer,  e ao lado do Edifício Itália), o Bar da Dona Onça é um bar-mais-pra-restaurante que é o bem sucedido fruto do relacionamento entre os chefs  Janaína e Jefferson Rueda (este do excelente Attimo; hoje eles são casados e têm dois filhos). A inspiração da cozinha — assim como no Attimo — é o interior de São Paulo, a cozinha caipira. Frango com quiabo e polenta, picadinho de filé com ovo frito e...


Trancoso: Restaurantes

No almoço, você provavelmente estará na praia e vale comer os peixes fresquíssimos muito bem preparados nas nossas barracas preferidas (a grande maioria dos lugares do Quadrado e da parte alta da cidade só abre depois das 17h). A lista a seguir é para o pós-praia, fim de tarde e jantar. ;-) A única recomendação mandatória para jantar é usar repelente de insetos, que todos os restaurantes têm à disposição dos clientes (basta pedir). Quanto ao serviço, não vá esperando muita eficiência para não se estressar, nem na baixa...


Carlota

Num sobradinho que lembra a Provence, numa rua residencial, tranquila, arborizada e escondida em Higienópolis (tem de dar umas voltas para chegar lá, eu só consigo com o Google Maps), o Carlota é daqueles restaurantes que fazem parte da alma cosmopolita e diversa de São Paulo. Com influências diversas — do Nordeste brasileiro à Ásia, passando por França e Itália —, a chef  Carla Pernambuco propõe uma cozinha repleta de sabores e texturas que agradam muito, num ambiente que é perfeito para encontrar amigos ou jantar a dois (à...


Alain Ducasse, a matriz

Apesar de não resultar em uma refeição empolgante, uma visita à matriz do império Alain Ducasse no mundo vale — para quem leva comida a sério — pela altíssima qualidade dos ingredientes. Do caviar à lagosta, passando pelas vieiras — nunca as tinha comido tão grandes e tão suculentas — ao frango de Bresse (até a carne do peito é úmida e macia, além de ser uma das especialidades do chef gascão), tudo é o melhor e da melhor procedência. E, talvez, seja esse o maior mérito de Ducasse e de seu chef executivo,...


O novo restaurante do Copa

O sisudo Cipriani vai ganhar um restaurante irmão-mais-modernoso para concorrer consigo dentro do hotel Copacabana Palace. No espaço do extinto Bar do Copa, o novo ambiente será um pot-pourri  pan-asiático: o nome Mee, que significa beleza  em coreano, terá no cardápio by Ken Hom (celebrity-chef sino-americano da BBC inglesa), especialidades do Sudeste Asiático (Tailândia, Malásia, Vietnã, Camboja, you name it; mais Japão, China e Coreia), chef executivo nissei (o Rafael Hidaka, que vem do Kinoshita) e a Yasmin Yonashiro, uma...


Trattoria

A não ser pelos pratos clássicos da Itália central e meridional (Lazio, Campania e Puglia), de trattoria (“taverna” ou estabelecimentos simples que servem massas na Itália), a Trattoria tem pouco. O mais recente empreendimento do Grupo Fasano fica num box  de concreto que lembra um diner  de estrada norte-americano — pé-direito não muito alto, amplo salão, grandes janelas-vitrine, cozinha aparente; elegante, claro, já que é assinado pelo arquiteto Isay Weinfeld, mas poderia estar num deserto do Texas, como a loja da Prada...


EVITE: Restaurante Quattrino

Eu frequentava o Quattrino quando era adolescente, lá nos anos 1990, quando a decoração by  João Armentano (na época, "o" decorador) incluía paredes com grandes rosas vermelhas pintadas sob uma pátina amarelinha. Saía da escola e ia lá almoçar com minha irmã. Ontem, domingo às 22h30, querendo comer uma massa e com a cozinha da maioria dos bons restaurantes já fechada, decidi voltar ao restaurante - que teria nas massas seu principal atrativo - depois de muitos e muitos anos. Pois é, o Quattrino na Rua Oscar Freire, que já foi...


Roberta Sudbrack

Roberta Sudbrack é um restaurante difícil, de sensações mistas. Não dá pra não valorizar o seu trabalho de resgate de ingredientes brasileiros pouco admirados pela gastronomia como jiló, quiabo, chuchu, inhame, fruta pão, abóbora, ou a técnica apurada que aplica sobre os ingredientes (o peixe estará no ponto perfeito, a gema caipira virá impecável no prato, o pãozinho é delicioso e vem fumegando de quente, a sobremesa é sempre um dos pontos altos...), ou ainda sua criatividade na combinação dos sabores. Mas, a experiência...


Sukiyabashi Jiro Honten

Se eu dividir o preço do almoço pelo tempo que ele durou, posso dizer com tranquilidade que foi o minuto em restaurante mais caro da minha vida (mais precisamente R$ 50 por minuto). O Sukiyabashi Jiro é espetacular. Mas o mais intrigante é que a experiência nos mostra o quão diferentes são os approachs  do que é alta gastronomia no Japão e no Ocidente. Em um restaurante francês ou contemporâneo em Paris, Nova York ou São Paulo, se você pagar US$ 400 por pessoa num almoço (só o omakase, menu-degustação em japonês, do Jiro...


L’Arpège

Apesar do décor  simples e intimista, o Arpège é um dos mais caros restaurantes parisienses. Só o Alain Ducasse tem um menu-degustação de mesmo preço (a 360 euros, sem vinhos), com a diferença de que, enquanto no Ducasse flagship  são servidos lagostins, lagostas, vieiras, caviar, frango de Bresse, no restaurante de Alain Passard o menu é praticamente formado por... legumes... legumes a preço de ouro. A não ser por um ou, no máximo, dois pratos de carne ou peixe (dos dez que geralmente formam o menu-degustação – sem contar...


Le Jules Verne

Se algum dia Alain Ducasse sonhou em pairar beeem acima da concorrência, ou melhor: se sendo o chef  mais estrelado do mundo ele quis ficar mais próximo das estrelas, ele conseguiu. Literalmente. A 115 metros de altura e ocupando parte do segundo andar do maior cartão postal da cidade, a Torre Eiffel (com elevador pequeno e exclusivo, não se preocupe com as massas), o Jules Verne é uma ótima opção para se comer bem, visitar a torre com elegância e ainda ter Paris a seus pés. Com a vista majestosa (depois da refeição caminhe pelo...


Beige

O Beige é um restaurante-experiência que você só encontra em Tóquio. Imagine jantar no prédio da Chanel (com vista para o bairro de Ginza), onde os móveis são assinados por Peter Marino, os garçons vestem Karl Lagerfeld e a comida é de Alain Ducasse. Através de uma parceria única no mundo, Ducasse se inspirou em Mademoiselle  (bege era sua cor favorita) para criar um cardápio francês contemporâneo e enxuto (a gente sempre prefere restaurantes com poucas - e boas - opções) com ingredientes locais, como a carne bovina de...


Per se

Conseguir uma reserva é um trabalho hercúleo e é preciso esquecer/abstrair que você está fazendo todo esse esforço (com uma antecedência exata um mês, I must say) para jantar em um shopping center. Nesse contexto, é natural que as expectativas para um jantar no Per Se sejam as mais altas. E o que faz todo esse esforço valer a pena, é que Thomas Keller e sua equipe conseguem entregar uma experiência gastronômica memorável e deliciosa. Pra mim, junto com Bernardin, o Per Se é o melhor restaurante de Nova York e um dos melhores...


Épice

O Épice fechou definitivamente em janeiro de 2016, mas esse texto ainda vale para entender o estilo de cozinha do chef  Alberto Landgraf. Os R$ 38 por uma caipirinha de vodca, os R$ 85 por um prato de frango, os R$ 35 por uma sobremesa não combinam nada com a decoração espartana do Épice (eu preferia a ambientação anterior). Pelo menos, assim como em restaurantes nos Estados Unidos e no Japão, o fato de eles não cobrarem pela água, que vem em garrafinhas e você pode pedir à vontade, com ou sem gás; e o couvert — com pães...


WordPress Theme built by Shufflehound. Todos os direitos reservados. © 2018 - Simonde