O Beige é um restaurante-experiência que você só encontra em Tóquio. Imagine jantar no prédio da Chanel (com vista para o bairro de Ginza), onde os móveis são assinados por Peter Marino, os garçons vestem Karl Lagerfeld e a comida é de Alain Ducasse. Através de uma parceria única no mundo, Ducasse se inspirou em Mademoiselle  (bege era sua cor favorita) para criar um cardápio francês contemporâneo e enxuto (a gente sempre prefere restaurantes com poucas – e boas – opções) com ingredientes locais, como a carne bovina de Kyushu, vieiras de Nemuro, legumes de Kamakura, porco Meishan de Ibaraki (um porco japonês com a carne bem gordurosa, como o Kobe Beef ), vitela de Hokkaido (da França vêm o foie gras, o frango, de Bresse, e a lagosta, da Bretagne), e você tem duas opções: 1. pode pedir o menu  (au fil de la saison  no almoço e collection  no jantar) em que você escolhe dois ou três pratos do menu à la carte, ou 2. o menu-degustação intitulado Menu Chef. Além dos pratos, há os deliciosos queijos (franceses), os amuse-bouches, as sobremesas e uma carta de vinhos com 600 rótulos.

Simples nas formas, mas elegante nos materiais (as cadeiras são forradas de couro e do tweed  que eternizou os tailleurs  Chanel), e com o rigor da cozinha de Ducasse, o Beige transporta para a terra do Sol nascente a aura de Mademoiselle  utilizando-se da simplicidade e da excelência orientais (além de servirem o oshibori, a toalhinha quente e úmida, antes da refeição e antes da sobremesa como nos restaurantes japoneses, o mais bonitinho é que todos os garçons japoneses falam francês).

Mas todos os pratos são minúsculos (mesmo os à la carte). Peça o menu-degustação sem medo. 

Se a temperatura estiver agradável e sem vento, chegue mais cedo para tomar um drinque antes do jantar no bar da Perrier-Jouët no terraço Le Jardin de Tweed, no terraço, que fecha cedo (para drinques, às 21h30).